Masturbação a dois - Desire

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Masturbação a dois

A arte de dar prazer a si mesmo é muita vezes considerada uma actividade solitária que deveria permanecer escondida atrás de portas bem fechadas. Muitas pessoas, especialmente as mulheres, continuam agarradas ao tabu da masturbação e acham que é muito difícil até discutir o assunto com o seu parceiro, quanto mais fazê-lo diante dele.

Abordar o assunto da masturbação diante do outro pode ser problemático, mas os benefícios podem valer bem a pena. Algumas pessoas, tanto homens como mulheres, acham que é difícil atingir o clímax através da penetração. Isso pode causar uma série de problemas, muitos dos quais têm origem no fingimento do orgasmo. Numa vida sexual saudável não há simplesmente lugar para fraude.

A maioria das pessoas continua a masturbar-se mesmo que tenham um relacionamento com alguém, por uma variedade de razões, nem sempre apenas devido à insatisfação sexual com o parceiro. Muitos casais, particularmente os mais jovens, gostam de se masturbar mutuamente como forma segura de se explorarem e de se apreciarem um ao outro sem haver penetração.

Existe também a opção de dar prazer a si mesmo quando o outro está envolvido. A masturbação pode resultar em alguns orgasmos mais intensos e parece muito razoável que estas experiências possam ser testemunhadas. A maioria das pessoas saltaria de alegria com a possibilidade de observar a pessoa amada a divertir-se podendo partilhar a experiência.

Aproveite a oportunidade de observar o seu parceiro para ver como é que ele gosta de ser acariciado. Experimente colocar a sua mão por cima da dele enquanto ele se estimula a si mesmo e vice versa. Desse modo saberá qual o ritmo que o seu parceiro considera agradável.

3 comentários:

Um Dia disse...

É sempre muito bom

Vanessa Flor disse...

Sempre uma delicia
.
Feliz Domingo

RODRIGO PHANARDZIS ANCORA DA LUZ disse...

Gosto muito e acho que as pessoas tendem cada vez a aproveitar mais. Uma das vantagens é poder observar o corpo inteiro da pessoa em seu êxtase de prazer, sendo algo também muito mais seguro e apropriado para as mais diversas ocasiões do que os atos que envolvem a penetração.